Carta inesperada

  
     Eu sei que você vai estar lá, me esperando debaixo daquela velha árvore que guarda nossos corações tatuados em seu tronco. Parece besteira, mas posso apostar que daqui dois minutos você vai me ligar e dizer que está arrependida pelo o que fez e quer me encontrar naquele nosso lugar especial. É estranho sabe, não vou negar, tudo aconteceu tão rápido e de modo espontâneo que eu já me acostumei com a idáia de te amar. Já não acho mais graça na sua risada, não sinto mais o calor dos seus abraços. Os arrepios são raros quando você me toca, seu beijo deixa a desejar há muito tempo e o seu olhar não satisfaz mais a fome da minha paixão. Já não sei se te amo tanto assim, parece meio automático, é como se minha mente estivesse no comando agora, tomando conta do meu coração, tornando o escravo de uma falsa paixão. E o meu coração?! Parou, pifou de vez, ele não consegue mais bater sem um motivo verdadeiro, sem uma razão para me fazer sofrer.
    Eu sei, parece assustador  estar te falando isso agora, mas é que eu precisava dizer isso, não aguento mais! Foram muitos beijos e abraços felizes, muitos sorrisos, muitas lagrimas, você foi a pessoa que me fez mais feliz, mas agora o potinho da tolerância encheu, transbordou e entornou tudo!
Você não sabe como é bom dizer isso, da um alivio no peito. Uma sensação boa, uma vontade de amar de novo. É como se eu tivesse apertado o reset do meu coração!
    Pronto, agora que eu disse tudo que sinto que posso te amar de novo,  posso tentar fazer esse amor adormecido dispertar mo meu coração novamente e talvez te dizer mais uma vez que te amo.

Alisson.

3 comentários:

  1. seus textos são perfeitos, diz tudo o que estou pensando, muito bom!

    ResponderExcluir
  2. eu juro que eu chorei ;/

    ResponderExcluir

Deixei seu comentário. Adoramos te ouvir!